Medicina Integrativa

Medicina integrativa é uma abordagem de atendimento que coloca a pessoa e não a sua doença no centro da atenção do médico praticante, que emprega estratégias personalizadas e considera as condições, necessidades e circunstâncias únicas de cada caso, utiliza as intervenções mais apropriadas de uma variedade de disciplinas científicas.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) define saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade”. 1
A medicina integrativa busca restaurar e manter a saúde e o bem-estar durante toda a vida de uma pessoa, compreendendo o conjunto único de circunstâncias do paciente e abordando toda a gama de influências físicas, emocionais, mentais, sociais, espirituais e ambientais que afetam a saúde. 2 Ao personalizar os cuidados, a medicina integrativa vai além do tratamento dos sintomas, abordando todas as causas de uma doença. Ao fazer isso, são levadas em consideração as necessidades imediatas de saúde do paciente e os efeitos da interação complexa e de longo prazo entre influências biológicas, comportamentais, psicossociais e ambientais. 3Os Princípios Definidores Da Medicina Integrativa São:
O paciente e o praticante são parceiros no processo de cura.
Todos os fatores que influenciam a saúde, o bem-estar e a doença são levados em consideração, incluindo corpo, mente, espírito e comunidade.
Os provedores usam todas as ciências da cura para facilitar a resposta de cura inata do corpo.
Intervenções eficazes que são naturais e menos invasivas são usadas sempre que possível.


Um bom remédio é baseado em boa ciência.
É dirigido à investigação e aberto a novos paradigmas.
Paralelamente ao conceito de tratamento, os conceitos mais amplos de promoção da saúde e prevenção de doenças são fundamentais.
O atendimento é personalizado para melhor atender às condições, necessidades e circunstâncias únicas do indivíduo. Praticantes de medicina integrativa exemplificam seus princípios e se comprometem com a autopreservação e o autodesenvolvimento.
Além de abordar e lidar com o (s) problema (s) de saúde imediato (s), bem como as causas mais profundas da doença, as estratégias de medicina integrativa também se concentram na prevenção e fomentam o desenvolvimento de comportamentos e habilidades saudáveis para o autocuidado eficaz que os pacientes podem usar ao longo de suas vidas. 4

Referencias:
1. Preamble to the Constitution of the World Health Organization as adopted by the International Health Conference, New York, 19–22 June 1946; signed on 22 July 1947 by the representatives of 61 States (Official Records of the World Health Organization, no. 2, p. 100); and entered into force on 7 April 1948. Constitution of the World Health Organization — Basic Documents, Forty-fifth edition, Supplement, October 2006.
2. http://iom.edu/~/media/Files/Activity%20Files/Quality/ IntegrativeMed/SnydermanRalph.pdf
3. Vicki Weisfeld. (2009). Summit on Integrative Medicine & The Health of the Public: Issue Background and Overview. Washington, DC: Institute of Medicine. Retrieval2011-1-18. http://www.bravewell.org/integrative_medicine/
4. Center for Integrative Medicine at the University of Arizona.http://www.bravewell.org/integrative_medicine/.

Menu