Existe uma epidemia crescente de doenças do fígado – Drª Marcia Tornavoi

O câncer de fígado (carcinoma hepatocelular) é a segunda principal causa de morte por câncer, devido à alta prevalência e dificuldade de tratamento. Pesquisadores alertam que até 2030, a taxa deste câncer irá dobrar, afetando mais de 1,2 milhão de pessoas no mundo.

Outras doenças relacionadas ao fígado, como cirrose e doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA), a chamada gordura no fígado, também estão se tornando mais prevalentes. O número de casos diagnosticados de cirrose mais que dobrou nos últimos 15 anos e os óbitos por cirrose aumentaram em 65%.

Consumo excessivo de álcool está impulsionando taxas crescentes de danos no fígado
Segundo os pesquisadores, o aumento da mortalidade por cirrose está sendo impulsionada pelo consumo excessivo de álcool entre os adultos jovens. Embora, historicamente, a cirrose hepática relacionada ao álcool tenha sido considerada como uma condição que se desenvolve após duas ou três décadas de consumo excessivo, as novas estatísticas revelam que ela não precisa levar tanto tempo, como ocorre agora.

A morte por doenças hepáticas relacionadas ao álcool quase triplicou nos últimos 15 anos na faixa etária de 25 a 34 anos.
Os pesquisadores acreditam que as preocupações financeiras e o desemprego podem ter sido fatores significativos que levaram as pessoas a beberem mais, o que fez crescer as estatísticas.

A cirrose (cicatrização irreversível do fígado) também pode ser causada por obesidade, DHGNA e hepatite, e pode, por sua vez, levar à insuficiência hepática fatal e / ou ao câncer de fígado. Os homens estão particularmente em risco, em grande parte porque são cinco vezes mais propensos a desenvolver a DHGNA (gordura no fígado) que as mulheres.

Fatores de estilo de vida, como dieta, exercício, peso, tabagismo e consumo de álcool desempenham papéis importantes na exacerbação (bem como redução) de suas chances de desenvolver alguma forma de doença hepática.
As pessoas com risco aumentado incluem também aquelas que têm uma doença autoimune, inflamação crônica do fígado e aquelas cujos fígados foram danificados devido a surtos de hepatite B ou C.

A boa notícia é que a cirrose hepática relacionada ao álcool pode ser revertida se diagnosticada precocemente. e desde que você pare de beber.

Excesso de Consumo de Açúcar Aumenta Taxas Esteatose hepática não alcoólica

Embora a cirrose relacionada ao álcool esteja elevando as taxas de mortalidade, o aumento da prevalência da DHGNA está contribuindo para a carga geral de doenças relacionadas ao fígado.

No caso da DHGNA, o fígado gorduroso ocorre na ausência de um consumo significativo de álcool e, em vez disso, é impulsionado pelo excesso de açúcar, razão pela qual essa condição é encontrada até mesmo em crianças pequenas.

A DHGNA geralmente não apresenta sintomas, embora possa causar fadiga, icterícia, inchaço nas pernas e abdômen, confusão mental e muito mais.
Se não for tratada, pode causar inchaço do fígado, chamada de esteatose hepatite não alcoólica, pode levar a câncer de fígado ou insuficiência hepática.

Tal como acontece com a cirrose relacionada ao álcool, a DHGNA pode ser revertida em seus estágios iniciais, retirando-se o açúcar e o excesso de frutose da dieta e com uma rotina de exercício físicos.

A frutose realmente afeta o fígado de maneiras muito semelhantes ao álcool. Ao contrário da glicose, que pode ser usada por praticamente todas as células do seu corpo, a frutose só pode ser metabolizada pelo fígado, já que o fígado é o único órgão que tem o transportador.

Como toda a frutose é transportada para o fígado, se você consome quantidades elevadas, a frutose acaba sobrecarregando e danificando o fígado da mesma forma que o álcool e outras toxinas.

A forma como o fígado metaboliza a frutose também é muito semelhante à do álcool, pois ambos servem como substratos para a conversão de carboidratos em gordura, o que promove resistência à insulina , dislipidemia (níveis anormais de gordura na corrente sanguínea) e fígado gorduroso.

A frutose também sofre a reação de Maillard com proteínas, levando à formação de radicais livres de superóxido que podem resultar em inflamação do fígado semelhante ao acetaldeído, um metabólito intermediário do etanol.

Exposições de químicas no dia a dia associadas a danos no fígado

É possível que a cirrose induzida pelo álcool esteja ocorrendo mais cedo como resultado de danos no fígado causados por exposições frequentes a químicas.
Pesquisadores mostraram que mesmo pequenas quantidades de produtos químicos, dos alimentos, dos agrotóxicos, produtos farmacêuticos e produtos de cuidados pessoais podem, de fato, causar danos ao fígado.

No geral, os resultados das analises sugerem que a exposição a doses baixas pode induzir a danos no fígado como resultado da combinação de diferentes mecanismos tóxicos, e demonstram que os coquetéis químicos, mesmo em baixos níveis, podem danificar a função do fígado e servir de gatilho para o câncer.

Para repensar os seus hábitos, desintoxicar seu corpo, recuperar seu metabolismo e restaurar a sua saúde vamos trabalhar juntos.

Drª Marcia Tornavoi – Médica Nutróloga e Homeopata – contato (11) 9 8848-3218

REFERENCIAS
American Cancer Society 2017
CDC.gov NCHS Data Brief No. 314, julho de 2018
BMJ 2018; 362: k2817
Gastroenterology 2015 Nov; 149 (6): 1471-1482.e5; questionário e17-8
Food and Chemical Toxicology, 2018; 115: 470
Anais da Medicina Ocupacional e Ambiental, 2013; 25: 5
World Journal of Gastroenterology, 2012; 18 (22): 2756
Carcinogenesis, 2015; 36 (1): 2254
Métodos em Biologia Molecular, 2012; 821: 1
World Journal of Gastroenterology, 2010; 16 (15): 1937
Hepatitis Monthly, 2010; 10(1):12

Deixe seu comentário

Dra Márcia Tornavoi 
Nutróloga e Homeopata

Graduada pela Faculdade de Medicina Estadual de São Jose do Rio Preto S.P. (FAMERP).

Membro da ABRAN (Associação brasileira de Nutrologia).

Titulo de especialista pela AMB/ABRAN. RQE 40397

Membro do Instituto de Homeopatia BioFAO

Postagens Recentes

Siga nosso Facebook
Nosso Youtube

Receba novidades em seu email