Mês: julho 2019

A pressão arterial de 120/80 milímetros de mercúrio é considerada saudável. (120 refere-se à pressão arterial sistólica e 80 refere-se à pressão arterial diastólica). A hipertensão arterial é tipicamente considerada algo acima de 140/90 mmHg, embora as diretrizes atualizadas da American Heart Association tenham agora 130/80 mmHg como ponto de corte para o diagnóstico de hipertensão. Ter uma elevação em apenas um dos dois valores também pode ser suficiente para um diagnóstico de hipertensão.

Estima-se que um em cada três pessoas tenha pressão alta. E a pressão sistólica oferece a maior quantidade de informações sobre a rigidez das artérias e a quantidade de pressão necessária para empurrar o sangue pelo corpo. A pressão sistólica elevada é um importante fator de risco para doença cardiovascular e acidente vascular cerebral.

Pesquisas recentes sugerem que a hipertensão, especialmente a pressão sistólica elevada, também pode aumentar o risco de demência. Estudos prévios já mostraram que vítimas de AVC, mesmo que seja um pequeno AVC, estão sob maior risco de doença de Alzheimer, e isso acrescenta mais peso às recomendações para manter sua pressão arterial sob controle, a fim de proteger sua saúde cognitiva.

CAUSAS COMUNS DE PRESSÃO ALTA

De acordo com manuais de fisiologia médica, até 95 por cento da hipertensão é chamada de hipertensão essencial, ou seja, a causa subjacente é desconhecida. Da minha perspectiva, isso simplesmente não é verdade. Vários fatores foram identificados como contribuintes para a pressão alta, incluindo, mas não limitados a:

Resistência à insulina e leptina. A insulina ajuda o corpo a armazenar magnésio, o que ajuda a relaxar os músculos. Se suas células se tornaram resistentes à insulina, você não será capaz de armazenar magnésio, o que leva à constrição dos vasos sanguíneos e aumento da pressão arterial. Então, à medida que os níveis de insulina e leptina aumentam, isso faz com que a pressão arterial aumente.   1,2,3

Para determinar se a resistência à insulina / leptina está em jogo, verifique o seu nível de insulina em jejum.  Se é 5 mcU / mL ou acima, você definitivamente precisa reduzir o seu nível de insulina para reduzir o risco de pressão alta e outros problemas de saúde cardiovascular. Se a sua hipertensão é o resultado de níveis elevados de insulina, a intervenção dietética será fundamental.

Níveis elevados de ácido úrico também estão significativamente associados à hipertensão, portanto, qualquer programa adotado para tratar da pressão alta precisa normalizar seu nível de ácido úrico também

A má nutrição na infância demonstrou aumentar o risco de hipertensão na vida adulta

Intoxicação por chumbo. Importante que seu médico saiba dar informações sobre como desintoxicar o chumbo.

• Poluição do ar e Poluição sonora. A poluição do ar afeta a pressão sanguínea, causando inflamação, enquanto a poluição sonora exerce um efeito através de seus sistemas nervoso e hormonal. Viver em uma área atormentada por poluição sonora constante (ruas movimentadas da cidade com tráfego noturno) mostrou aumentar o risco de hipertensão em 6%, comparado a viver em uma área onde os níveis de ruído são pelo menos 20% mais baixos. Para resolver esses fatores, evite fumar, considere usar tampões para os ouvidos durante o sono, se você mora em um bairro barulhento e tomar medidas para melhorar a qualidade do ar do seu ambiente.

DIETA INFLUENCIA SUA PRESSÃO ARTERIAL

Uma das mais importantes mudanças dietéticas necessárias para melhorar a pressão alta é eliminar ou reduzir drasticamente o açúcar, especialmente a frutose processada, em sua dieta. Em estudo de 2010 descobriu que aqueles que consumiam 74 gramas ou mais por dia de frutose (o equivalente a cerca de 2,5 bebidas açucaradas) tinham um risco 77% maior de ter níveis de pressão arterial de 160/100 mmHg (estágio 2 de hipertensão).    4,5

Outro culpado dietético é a gordura trans , responsável pela aterosclerose (endurecimento das artérias). Este é outro fator desencadeante da hipertensão, portanto, evite todas as gorduras trans ou gorduras hidrogenadas, como margarinas, óleos vegetais, pastas e produtos assados.

A maneira mais fácil de reduzir tanto o açúcar quanto as gorduras insalubres de sua dieta é substituir os alimentos processados por alimentos frescos. Isto irá abordar não apenas a resistência à insulina e à leptina, mas também os níveis elevados de ácido úrico. Para saber mais sobre alimentação saudável, consulte um médico nutrólogo para traçar um plano de nutrição ideal, que o guiará passo a passo pelas mudanças necessárias. Um tipo de gordura que você pode precisar mais é de gorduras ômega-3.

Beterraba pode ajudar a baixar a pressão arterial

Em um pequeno ensaio controlado por placebo, um copo (250 ml) de suco de beterraba por dia durante um mês foi suficiente para baixar a pressão arterial para níveis normais. O grupo de tratamento também viu uma melhoria de 20 por cento na capacidade de dilatação dos vasos sanguíneos e uma redução de 10 por cento na rigidez arterial. Os efeitos benéficos estão relacionados ao nitrato encontrado no suco de beterraba. Seu corpo converte o nitrato em nitrito bioativo seguido por óxido nítrico (NO), o último dos quais ajuda a relaxar e dilatar seus vasos sanguíneos e ajuda a prevenir coágulos sanguíneos.

Outros vegetais ricos em nitratos incluem rúcula, alface folha de manteiga. A fonte mais rica absoluta de nitrato é a beterraba fermentada, que contém de 2.000 a 3.000 mg de nitratos por 100 gramas. Para comparação, a rúcula, que contém a maior quantidade de qualquer vegetal, tem apenas 480 mg de nitratos por 100 gramas.

Aumente seu nível de óxido nítrico

É ótimo dar ao seu corpo as matérias-primas para criar o óxido nítrico, mas depois que ele é feito é armazenado dentro de vesículas que revestem seus vasos sanguíneos e não vai funcionar até que você o libere. Exercícios de alta intensidade são ótimos para liberá-lo

OUTRAS ESTRATÉGIAS DE ESTILO DE VIDA PARA REDUZIR SUA PRESSÃO ARTERIAL

Ande descalço

Andar descalço ajudará você a aterrar na terra. As experiências mostram que caminhar descalço melhora a viscosidade do sangue e o fluxo sanguíneo, o que ajuda a regular a pressão sanguínea. Então, faça um favor a si mesmo e largue seus sapatos de vez em quando.

Aterramento também acalma o sistema nervoso simpático, que leva a variabilidade da frequência cardíaca. Isso, por sua vez, promove a homeostase, ou equilíbrio, no sistema nervoso autônomo. Em essência, sempre que você melhora a variabilidade da frequência cardíaca, você está melhorando todo o seu corpo e todas as suas funções.

Amenize seu estresse

A conexão entre estresse e hipertensão é bem documentada, mas ainda não recebe a ênfase que merece. De fato, tem sido demonstrado que pessoas com doenças cardíacas podem reduzir o risco de eventos cardíacos subsequentes em mais de 70% simplesmente aprendendo a administrar seu estresse.

As emoções negativas reprimidas, como medo, raiva e tristeza, podem limitar severamente sua capacidade de lidar com as inevitáveis tensões cotidianas da vida. Não são os eventos estressantes em si que são prejudiciais, mas a sua falta de capacidade de lidar.

Otimize seu nível de vitamina D

A deficiência de vitamina D está associada à rigidez arterial e à hipertensão. Para uma saúde ideal, mantenha um nível de vitamina D entre 60 e 80 nanogramas por milímetro durante o ano todo.

Preste atenção a sua relação sódio / potássio

De acordo com o Dr. Lawrence Appel, pesquisador-chefe da dieta DASH e diretor do Centro Welch de Prevenção, Epidemiologia e Pesquisa Clínica da Johns Hopkins, sua dieta como um todo é a chave para o controle da hipertensão – e não apenas a redução do sal. Ele acredita que a maior parte da equação é este equilíbrio de minerais – ou seja, a maioria das pessoas precisa de menos sódio e mais potássio, cálcio e magnésio. De acordo com Appel: “Níveis mais altos de potássio reduzem os efeitos do sódio. Se você não pode reduzir ou não reduzir o sódio, a adição de potássio pode ajudar. Mas fazer as duas coisas é melhor.”

De fato, manter uma proporção adequada de potássio a sódio em sua dieta é muito importante, e a hipertensão é apenas um dos muitos efeitos colaterais de um desequilíbrio. Uma dieta de alimentos processados praticamente garante que você terá uma proporção desigual de sódio em excesso para potássio. Fazer a mudança de alimentos processados para alimentos frescos melhora automaticamente suas proporções.

Considere o jejum intermitente

O jejum intermitente é uma das formas mais eficazes para normalizar a sensibilidade à insulina / leptina, que é a causa da hipertensão. Faça com orientação médica.

Drª Marcia Tornavoi – Nutrologia Integrativa – CRM 58771 RQE 40397

São Paulo 11 3813-2261 Uberlândia 34 3255-2112

Referencias

1. Time Magazine, 28 de outubro de 2014

2. Drugs 1993; 46 Suppl 2: 149-59

3. Diabetes Care 2003 Mar; 26 (3): 805-809

4. CNN Health 16 de novembro de 2016

5. The Sun Daily 25 de outubro de 2016