Mês: setembro 2018

Grande parte da medicina ocidental moderna baseia-se no tratamento de danos agudos e imediatos, desde lesões físicas até infecções, desde ossos quebrados e resfriados comuns até ataques cardíacos e de asma. Mas o progresso no tratamento de doenças crônicas, onde a causa do problema é muitas vezes desconhecida – e, de fato, pode não estar mais presente – está defasado.

Condições crônicas como câncer, diabetes e doenças cardiovasculares desafiam a explicação fácil, sem falar do remédio. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças estimam que mais da metade dos adultos e um terço das crianças e adolescentes nos Estados Unidos vivem com pelo menos uma doença crônica e aqui no Brasil não é diferente. Condições médicas crônicas, de acordo com os Institutos Nacionais de Saúde, causam mais da metade de todas as mortes no mundo.

Em um novo artigo, disponível on-line em Mitochondrion (1), Robert K. Naviaux, MD, PhD, professor de medicina, pediatria e patologia na Universidade da Califórnia San Diego School of Medicine, postula que a doença crônica é essencialmente a consequência do bloqueio do ciclo natural da cura, que ocorre por perturbações nos níveis metabólico e celular.

“O processo de cura é um círculo dinâmico que começa com a lesão e termina com a recuperação. As características moleculares desse processo são universais”, disse Naviaux, que também dirige o Centro de Doenças Mitocondriais e Metabólicas da UC San Diego. “Evidências emergentes mostram que a maioria das doenças crônicas é causada pela reação biológica a uma lesão, não pela lesão inicial ou pelo agente da lesão. A doença ocorre porque o corpo é incapaz de completar o processo de cura”.

Por exemplo, disse Naviaux, o melanoma – a forma mais letal de câncer de pele – pode ser causado pela exposição ao sol que ocorreu décadas antes, danificando o DNA que nunca foi reparado. Transtorno de lesão cerebral pós-traumático pode inflamar meses ou anos após a lesão original da cabeça ter cicatrizado. Uma concussão recente, sofrida antes que uma concussão anterior tenha sido completamente resolvida, normalmente resulta em sintomas mais graves e recuperação prolongada, mesmo que o segundo impacto seja menor do que o primeiro.

“Disfunção progressiva com lesão recorrente após a cura incompleta ocorre em todos os sistemas de órgãos, não apenas no cérebro”, disse Naviaux. “A doença crônica resulta quando as células são capturadas em um ciclo repetitivo de recuperação incompleta e re-lesão, incapaz de se curar completamente. Essa biologia está na raiz de praticamente todas as doenças crônicas conhecidas, incluindo suscetibilidade a infecções recorrentes, doenças auto-imunes como artrite reumatóide, doença cardíaca e renal diabética, asma, doença pulmonar obstrutiva crônica, demência de Alzheimer, câncer e desordem do espectro do autismo.”

Por mais de uma década, Naviaux e seus colegas vêm investigando e desenvolvendo uma teoria baseada na resposta de perigo celular (CDR), uma reação celular natural e universal à lesão ou ao estresse. No novo artigo, Naviaux descreve as características metabólicas dos três estágios da CDR que compõem o ciclo de cura.

“O objetivo da CDR é ajudar a proteger a célula e acelerar o processo de cicatrização”, disse Naviaux, essencialmente fazendo a célula endurecer suas membranas, interromper a interação com os vizinhos e recolher-se dentro de si até que o perigo tenha passado.

“Mas às vezes o CDR fica preso. No nível molecular, o equilíbrio celular é alterado, impedindo a conclusão do ciclo de cura e mudando permanentemente a maneira como a célula responde ao ambiente. Quando isso acontece, as células se comportam como se ainda estivessem feridas ou em perigo iminente, mesmo que a causa original da lesão ou ameaça tenha passado”.

Em seu novo artigo, Naviaux descreve detalhadamente como ele, baseado em evidências crescentes, acredita que a disfunção metabólica leva à doença crônica. (2) A progressão através do ciclo de cura, segundo ele, é controlada pelas mitocôndrias – organelas dentro das células mais conhecidas pela produção da maioria da energia necessárias para sobreviver – e pelas metabocinas, moléculas sinalizadoras derivadas do metabolismo para regular os receptores celulares, incluindo mais de 100 para a cura.

“São as anormalidades na sinalização da metabocina que fazem com que os estágios normais da resposta de perigo celular persistam anormalmente, criando bloqueios no ciclo de cura”, disse Navaiux, que observou a teoria CDR também explica por que algumas pessoas curam mais rapidamente que outras e por que uma doença crônica aparentemente tratada com sucesso pode recair. É uma forma de “dependência” metabólica na qual a célula em recuperação fica condicionada ao seu estado prejudicado.

Naviaux sugere que a ciência pode estar à beira de escrever um novo capitulo para a medicina, que se concentra na prevenção de doenças crônicas e novos tratamentos para elas, ajudando assim as pessoas a se recuperarem completamente, onde abordagens antigas apenas produziram pequenas melhorias.

“A idéia é direcionar os tratamentos para os processos que estão bloqueando o ciclo de cura”, disse ele. “Os novos tratamentos só podem ser dados por um curto período de tempo”, ao contrário do que acontece hoje com os pacientes crônicos que tomam medicamentos pela vida toda sem o beneficio da cura.

“Uma vez que os gatilhos de uma lesão crônica tenham sido identificados e removidos, e os sintomas contínuos tratados, precisamos pensar em corrigir o problema subjacente da cura prejudicada. Ao desviar o foco das causas iniciais para os fatores metabólicos e vias de sinalização que mantêm a doença crônica, podemos encontrar novas maneiras de não apenas acabar com a doença crônica, mas também de preveni-la ”.

Este é exatamente o foco do meu trabalho, onde a união da terapêutica bioFAO que rege os processos biofísicos do tratamento visando a auto-organização e reequilíbrio, se alinha perfeitamente as estruturas bioquímicas necessárias dos nutrientes e detoxicantes usados para a correção metabólica funcional. Eu e meus pacientes já estamos juntos escrevendo os novos capítulos da medicina do futuro aqui e agora. Drª Marcia Tornavoi- CRM 58771

REFERÊNCIAS

1- https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1567724918301053

2- https://health.ucsd.edu/news/releases/Pages/2018-09-07-chronic-diseases-driven-by-metabolic-dysfunction.aspx

Menu