alimentacao-e-nutricao-na-gravidez

Mês: maio 2018

Um dos períodos mais exigentes com o cuidado alimentar e nutricional da vida de uma mulher é durante a gravidez e depois, durante a amamentação, não apenas para manter seu corpo funcionando melhor, mas também para nutrir e sustentar o seu bebê.

A nutrição adequada é crucial em todos os estágios do desenvolvimento fetal (e até mesmo antes da concepção), logo, se a mãe não esta se alimentando direito, seu bebê que esta em crescimento, também não.

O Foco da desta orientação alimentar é minimizar os alimentos industrializados, aumentar a ingestão de vegetais, gorduras saudáveis e fontes de proteína de alta qualidade.

Alguns Nutrientes Importantes

Vitamina D

É um nutriente feito pelo corpo em resposta à exposição solar. É tão importante que merece ser o número um nesta lista.

Aumentar os níveis de vitamina D entre mulheres grávidas é super importante, pois a deficiência afeta não apenas a mãe, aumentando o risco de complicações durante a gravidez ou o parto, mas também tem ramificações de curto e longo prazo para a saúde de seu filho.

Pesquisas confirmam que há um impacto vitalício da deficiência de vitamina D na gravidez, desde alergias na infância até asma, gripes e resfriados, cáries dentárias, diabetes e até mesmo derrames e doenças cardiovasculares na vida adulta da criança. Eur Respir J. 2015 Apr;45(4):1027-36.

A cada ano, nascem mais de meio milhão de prematuros, que é a primeira causa de morte de recém-nascidos, e também a segunda principal causa de morte entre crianças menores de cinco anos.

Pesquisas mostram que a vitamina D provavelmente poderia prevenir metade de todos esses nascimentos prematuros. Obstetrics & Gynecology February 2015 – Volume 125 – Issue 2 – p 439–447

Também pode reduzir o risco de pré-eclâmpsia, diabetes gestacional e infecções pré-natais em aproximadamente 50%. Entre as populações afro-americanas e hispânicas, aproximadamente 70% a 75% de todos os nascimentos prematuros poderiam ser evitados com a otimização da vitamina D. J Bone Miner Res. 2011 Oct;26(10):2341-57

A triagem de vitamina D é fundamental, sendo a única maneira de determinar se existe uma deficiente ou não. Logo os testes regulares são importantes para garantir que a dose em uso seja suficiente para atingir níveis clinicamente relevantes, ou seja, acima de 50 ng / ml.

Então, se você estiver grávida, certifique-se de ter seus níveis de 25-hidroxi vitamina D verificados.

Embora seja melhor otimizar a vitamina D através da exposição solar sensata, se isso não for possível, doses  diárias devem ser suplementadas durante a gravidez e amamentação. Peça para o seu médico

Otimizar a vitamina D é tão ou mais importante para a saúde e o desenvolvimento de seu filho do que o folato (Ác fólico), que é rotineiramente recomendado para mulheres grávidas.

Junto com a redução do risco de parto prematuro, estudos descobriram que a vitamina D pode proteger contra vários defeitos congênitos e autismo, bem como complicações na gravidez, como a pressão alta .

Omega-3

A maioria das mulheres tem grande deficiência de Omega 3  e, dadas as estatísticas, é muito possível que você também tenha.

Ômega-3 contém uma fonte de nutrientes para garantir que o bebê se desenvolva adequadamente e alcance seu maior potencial. Seus componentes ajudam a maximizar a inteligência de seu filho e protegem de lesões cerebrais, como autismo, atraso generalizado do desenvolvimento e TDAH.

Estudos mostraram que níveis suficientes de gorduras omega-3 otimizam o crescimento do cérebro do bebe, especialmente durante o terceiro trimestre da gestação.

Além disso, descobriu-se que são altamente eficazes no combate às doenças cardiovasculares e à depressão. Com os hormônios flutuando tão violentamente durante esse tempo, você pode se ver lidando com alguma depressão. É uma ocorrência muito comum na gravidez.

A pesquisa mostrou agora que baixas concentrações plasmáticas de DHA, uma das principais gorduras do óleo ômega-3, estão associadas a baixas concentrações de serotonina no cérebro. A serotonina tem um efeito calmante no cérebro e no sistema nervoso, por isso não é surpresa que a falta dela tenha levado os participantes do estudo a se sentirem deprimidos e suicidas. colocar este link aqui = https://academic.oup.com/ajcn/article/88/3/706/4649110

No entanto, em um estudo britânico, pesquisadores descobriram que as mulheres que consumiram maiores quantidades de ácidos graxos ômega-3 durante o terceiro trimestre apresentaram menos sinais de depressão durante a gravidez e até oito meses após o nascimento.

A suplementação dietética com concentrados de óleo ômega-3 também mostrou reduzir tanto a progressão da doença cardiovascular quanto a mortalidade relacionada, incluindo morte súbita cardíaca, portanto, certifique-se de obter este nutriente essencial para proteger você e seu bebê durante este período importante.

Outro grande benefício da adição de óleos ômega-3 à sua dieta é que eles ajudarão a impedir que seu filho desenvolva o diabetes mais tarde na vida.  Isso remonta ao papel das gorduras ômega-3 em ajudar você a levar o bebê a termo.

Estudos mostram que bebês prematuros têm maior risco de desenvolver diabetes. Deixe-me também acrescentar que estudos ligam essa tendência ao diabetes à falta de vitamina D suficiente antes do nascimento.

Espero que tudo isso tenha convencido você de como é importante ter abundância de ômega-3 em sua dieta, para que você possa estar amplamente protegido contra esses fatores de risco durante a gravidez.

A gordura ômega-3 e seu derivado, DHA (ácido docosahexaenóico), são tão essenciais para o desenvolvimento da criança que, se a mãe e o bebê estiverem deficientes, o sistema nervoso e o sistema imunológico da criança podem nunca se desenvolver completamente e causar uma vida inteira de distúrbios emocionais inexplicáveis, do aprendizado e do sistema imunológico.

Enquanto a maioria das pessoas está seriamente carente de ômega-3, elas estão exagerando em outro tipo de gordura: o ômega-6. A proporção ideal de gorduras ômega-6 e ômega-3 é de 1: 1. Hoje, porém, a proporção de ômega-6 para ômega-3 da maioria varia de 20: 1 a 50: 1! Isto é muito grave.

É muito importante aproximar sua relação ômega-6 e ômega-3 ao ideal de 1: 1. Para fazer isso, simplesmente reduza todos os óleos vegetais (isso inclui aqueles em alimentos processados, como biscoitos, salgadinhos e biscoitos) e obtenha um suprimento regular de gordura de ômega-3 de alta qualidade: Sardinha, sementes de chia, sementes de linhaça e suplementos indicados pelo seu médico. Cuidado! Nem todos tem boa qualidade.

Iodo 

Pesquisa publicada em 2013 mostrou que a deficiência leve de iodo durante a gravidez leva à diminuição do intelecto em crianças. Aqueles nascidos de mães com baixo iodo no início da gestação tinham QI mais baixo aos oito anos de idade, em média três pontos, comparados àqueles nascidos de mães com níveis saudáveis ​​de iodo. Os filhos de mães com baixo iodo também apresentaram pior capacidade de leitura aos 9 anos de idade.   The Lancet 22 de maio de 2013

Com base nessa pesquisa, o mais recente estudo revelou que, se todas as mulheres tomassem suplementos de iodo antes da concepção, durante a gravidez e durante a amamentação, a pontuação de QI das crianças aumentaria em média 1,22 pontos. The Lancet 9 de agosto de 2015

” A suplementação de iodo para mulheres grávidas no Reino Unido é potencialmente econômica. Essa descoberta também tem implicações para os 1,88 bilhões de pessoas nos 32 países com deficiência de iodo em todo o mundo.

Por que o baixo teor de iodo durante a gravidez é prejudicial para o cérebro do bebê

Durante as primeiras 12 semanas de gravidez, antes que a tireóide da criança não nascida se torne ativa, a mãe é a única fonte de hormônios da tireóide, que são necessários para a função cerebral ideal e o desenvolvimento em crianças. O hipotireoidismo é uma das primeiras doenças a se desenvolver em resposta à deficiência de iodo, e é particularmente problemático durante a gravidez.

Um estudo de 1999 descobriu que a deficiência da função tireóideana durante a gravidez pode reduzir o QI do seu filho em cerca de sete pontos. No geral, em comparação com outras crianças, os filhos de mães com deficiência de tireóide tiveram desempenho escolar prejudicado e menores escores em testes de atenção, linguagem e desempenho visual-motor. N Engl J Med 1999; 341:549-555

A Organização Mundial de Saúde aconselha que as mulheres grávidas devem ter 0,25 mg de iodo por dia, mas o medico responsável pelas suplementações deve fazer sua própria pesquisa e adotar uma abordagem sensata a cada caso.

Alguns Alimentos importantes

Ovos Caipira (Orgânicos) 

Os ovos são uma fonte fenomenal de proteína, gordura boa e outros nutrientes, incluindo a colina e os antioxidantes luteína e zeaxantina excelentes para a saúde dos olhos. A colina desempenha um papel importante, ajudando a prevenir certos defeitos congênitos, como a espinha bífida, e é fundamental para a evolução e crescimento do cérebro. Podendo aumentar a função cognitiva, melhorar o aprendizado e a memória e até mesmo diminuir o declínio da memória relacionada à idade e a vulnerabilidade do cérebro a toxinas durante a gravidez e a infância, além de conferir proteção mais tarde na vida.  FASEB J. 2012 Aug;26(8):3563-74.

O consumo de níveis mais altos de colina durante a gravidez está ligado a mudanças epigenéticas benéficas no feto, incluindo proteção contra distúrbios metabólicos e relacionados ao estresse, que provavelmente duram até a idade adulta. Solicite suplementação ao médico nutrologo.

Brócolis e folhas verdes

Brócolis e vegetais de folhas verdes escuras como espinafre e couve são carregados com nutrientes importantes para mulheres grávidas, incluindo folato, fibra, potássio, cálcio, ferro e vitaminas C, K e A. Seu conteúdo antioxidante também apoiará a saúde do sistema imunológico, enquanto sua fibra pode ajudar a prevenir a constipação, que é um problema comum em mulheres grávidas.

Carne orgânica

Carne de animais alimentados com capim é uma excelente fonte de proteína e outros nutrientes em alta demanda durante a gravidez, como ferro, colina e vitaminas B. Frango é uma excelente fonte de proteína, vitaminas do complexo B, selênio, fósforo e colina . Ele fornece todas as vitaminas do complexo B, juntamente com um número surpreendentemente variado de nutrientes adicionais.

Frutas vermelhas (Morango, cereja, amora, framboesa, mirtilo, blueberry, Goji Berry, cramberry, etc)

Apresentam quantidades concentradas de fitoquímicos que aumentam a  imunidade, previne o câncer, protege o coração e intervém nas alergias sazonais. Elas são mais pobres em açúcar do que muitas frutas, por isso são menos propensas a desestabilizar seus níveis de insulina. Contêm quantidades elevadas de vitamina C, que ajudam o corpo a absorver ferro e uma boa quantidade de fibras.

Abacates

Os abacates fornecem cerca de 20 nutrientes essenciais para a saúde, incluindo potássio, vitamina E, vitamina K , vitaminas B e folato. Eles também são um dos poucos alimentos que contêm níveis significativos de vitaminas C e E,  são excelente fonte de gordura monoinsaturada saudável. Ricos em fibras, com cerca de 4,6 gramas em meio abacate . As fibras desempenham um papel essencial na saúde digestiva, do coração e da pele e podem melhorar o controle do açúcar no sangue, e mais, quando você come abacates, está realmente fornecendo ao seu corpo – e ao seu bebê – um pacote abrangente de nutrição.

Sementes de Chia

As sementes de chia são uma fonte rápida e fácil de usar de proteínas, gorduras saudáveis, fibras alimentares, minerais, vitaminas e antioxidantes, tudo em um único pacote. Embora eles tenham benefícios de saúde semelhantes às sementes de linhaça, não precisam ser moídas antes do consumo, e não ficam rançosas tão rapidamente também. A alta concentração de ácido alfa-linolênico (ALA) ômega-3 baseado em vegetais é uma dos principais motivos da sua fama. Sementes de chia contêm até 40% de óleo, com 60% de ômega-3. J Biomed Biotechnol. 2012; 2012: 171956.

Novos benefícios revelados para uma dieta rica em fibras durante a gravidez

Uma dieta rica em fibras é recomendada para a maioria dos adultos, mas aumentar a ingestão de fibras pode ser especialmente benéfica durante a gravidez.

Pesquisadores do Departamento de Imunologia da Universidade Monash, na Austrália, revelaram que uma dieta rica em fibras pode alterar beneficamente as bactérias intestinais da mulher durante a gravidez, produzindo substâncias anti- inflamatórias que suprimem os genes relacionados à asma em seu bebê. Nat Commun. 2015 Jun 23;6:7320.

A pesquisa também sugere que uma dieta rica em fibras pode ajudar a reduzir o risco de morte prematura por qualquer causa, provavelmente porque ajuda a reduzir o risco de várias doenças crônicas como: Diabetes tipo 2, doença cardíaca, acidente vascular cerebral e câncer.

Estudos também associaram uma dieta rica em fibras a reduções benéficas na pressão sanguínea, melhora da sensibilidade à insulina e redução da inflamação e todas elas podem beneficiar seu bebê. A melhor maneira de aumentar a ingestão de fibras durante a gravidez é se concentrar em comer mais verduras, castanhas e sementes.

A dieta do papai também é importante para a saúde do bebê

Não é apenas a dieta da mãe que influencia a saúde futura de seus filhos. A dieta de um pai antes da concepção também pode desempenhar um papel, particularmente em relação ao folato. Um estudo em animais mostrou que a deficiência paterna de folato (Ác fólico) estava associada a um aumento de defeitos congênitos em filhos, em comparação com os pais que ingeriam dieta com folato suficiente. Houve, de fato, um aumento de quase 30 por cento em defeitos congênitos, incluindo anormalidades esqueléticas graves, entre ninhadas de pais deficientes em folato.

” A pesquisa (Epoch Times January 9, 2014 = colocar o link para abrir esta referencia = https://www.theepochtimes.com/author-nature-communications ) mostra que há regiões do epigenoma do esperma que são sensíveis à experiência de vida e particularmente à dieta. E que essa informação é transferida para um chamado mapa epigenômico que influencia o desenvolvimento e pode também influenciar o metabolismo e a doença dos descendentes a longo prazo.

O epigenoma é como um interruptor, que é afetado por estímulos ambientais, e está envolvido em muitas doenças, incluindo câncer e diabetes. Influencia o modo como os genes são ativados ou desativados e, portanto, como as informações hereditárias são transmitidas. Embora se saiba há algum tempo que há um apagamento e restabelecimento maciço que ocorre no epigenoma à medida que o espermatozóide se desenvolve, este estudo mostra que, juntamente com o mapa do desenvolvimento, o esperma também carrega uma memória do ambiente do pai. e possivelmente até mesmo de suas escolhas de dieta e estilo de vida “.

Se você é uma mulher (ou um homem) em idade fértil e planeja ter filhos em breve, é imperativo que você comece a se alimentar saudável agora . Pesquisa publicada em 2013 mostrou que as mulheres que comiam uma dieta rica em vegetais durante o ano anterior à gravidez tinham um risco significativamente menor de ter um bebê com certos defeitos congênitos em comparação com as mulheres que ingeriam uma dieta pouco saudável e rica em açúcar.

Finalmente, um grupo adicional de alimentos que ainda não foi mencionado, mas é crucialmente importante para as mulheres grávidas, é o alimento fermentado (Ex: Kefir, Chucrute, Iogurte, Kimchi). A pesquisa mostra que dar às mulheres grávidas e aos recém-nascidos estas doses de bactérias boas (Probióticos que vão modular a microbiota) pode:

Reduzir radicalmente o risco do seu filho desenvolver autismo ou distúrbios semelhantes ao autismo

Proteja os bebês do desenvolvimento de eczema na infância

Ajude a prevenir alergias na infância

Ajude a otimizar o peso do seu bebê mais tarde

Melhora os sintomas de cólica, diminuindo os tempos médios de choro em cerca de 75%

Reduza o risco de parto prematuro

 

Limpe seu organismo com água saudável

Dê preferência as marcas que tem pH alcalino, acima de 7,5

É muito importante que você beba água pura, especialmente se estiver grávida. Evite água de bebedouros e de torneira, e escolha água mineral ou filtrada. A água da torneira deve ser evitada porque contém cloro, arsênico e, com freqüência, flúor, todas as substâncias tóxicas que podem ter conseqüências terríveis para seu bebê e para você.

Itens críticos para evitar durante a gravidez

Produtos de soja

Cafeína

Nozes

Adoçantes artificiais

Água fluoretada ou clorada

 

A obesidade infantil e o excesso de peso na gravidez

Tenho certeza que você ouviu o termo “comer por dois”. Por muitos anos, as futuras mães foram informadas de que, por estarem grávidas, elas deveriam comer por dois. Mas esta é uma declaração muito enganosa. Algumas mulheres ganham muito peso na crença equivocada de que devem fornecer nutrição adicional para seu filho em crescimento. Outras podem simplesmente usar essa declaração como desculpa para comer o que quiserem.

O ganho de peso saudável é importante e esperado durante a gravidez, mas as mulheres que estão acima do peso antes da gravidez. E aquelas que ganham muito peso durante a gravidez, podem estar colocando seus bebês em risco de obesidade infantil. Pesquisadores acompanharam mais de 700 mulheres que retornaram para acompanhamento com seus filhos tinham 7 anos de idade. Filhos de mães que estavam acima do peso antes da gravidez tinham maior probabilidade de estar acima do peso. 7Maternal and Child Nutrition March 5, 2015

Mulheres com maior ganho de peso durante a gestação também tiveram maior chance de ter filhos com maior percentual de gordura corporal, e aquelas com ganho de peso excessivo tiveram quase três vezes mais chances de ter filhos obesos do que aquelas que não ganharam peso excessivamente durante a gravidez.

Para avaliação metabólica, orientação alimentar, prescrição de suplemento e nutracêuticos importantes, entre em contato:

Dra. Marcia Tornavoi

Nutróloga Homeopata

CRM-SP 58771

CRM-MG 60598

 

Fone: (11) 3813-2261 | (34) 3231-0115

Email: marciatornavoi@gmail.com

www.marciatornavoi.com.br

 

Fontes e Referências

Epoch Times October 21, 2015

Lung Disease News September 3, 2015

Epoch Times July 26, 2015

Medical News Today June 27, 2015

Reuters March 27, 2015

Health Day News January 12, 2015

Medical News Today December 10, 2013

J Bone Miner Res. 2011 Oct;26(10):2341-57

J Neurophysiol. 2004 Apr;91(4):1545-55.

FASEB J. 2012 Aug;26(8):3563-74.

J Biomed Biotechnol. 2012; 2012: 171956.

Medical News Today June 27, 2015

Nat Commun. 2015 Jun 23;6:7320.

Maternal and Child Nutrition March 5, 2015

Reuters March 27, 2015

The Lancet 22 de maio de 2013

The Lancet 9 de agosto de 2015

Eur Respir J. 2015 Apr;45(4):1027-36.

Clin Exp Allergy. 2015 May;45(5):920-7.

Obstetrics & Gynecology February 2015 – Volume 125 – Issue 2 – p 439–447

Epoch Times January 9, 2014

Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine 2012 Feb;166(2):121-6

N Engl J Med 1999; 341:549-555